Você se inscreveu com sucesso em 32ª RBA - Exposições
Ótimo! Em seguida, finalize a compra para ter acesso completo a 32ª RBA - Exposições
Bem vindo de volta! Você fez login com sucesso.
Sucesso! Sua conta está totalmente ativada, agora você tem acesso a todo o conteúdo.
Sucesso! Suas informações de cobrança são atualizadas.
Falha na atualização das informações de faturamento.

Transcrição: Quando tu sabe teu nome, teu destino te leva a ser

A questão dos rituais, eu... bem, realmente eu sou extremamente atravessada pela
questão da espiritualidade, porque eu nasci a partir de uma espiritualidade, né? Eu
nasci de 8 meses, eu não era pra nascer, eu era pra ter morrido, eu sobrevivi. Eu
sobrevivi a muitas doenças na infância. Eu vivi [inaudível] em hospitais. E meu nome é Kuawá. Kuawá quer dizer fruto da jurubeba braba, que quer dizer que nasce em lugares difíceis de sobreviver e terras inférteis, que não tem fertilidade nenhuma. E é uma fruta venenosa que mata praga. Então o meu nome em si diz quem eu sou. E quando tu tem um nome desse, tu sabe, o teu destino te leva a ser. E eu tive muitas doenças graves, mortais... eu tive meningite aos 18 anos... agora aos 44 eu tive covid, passei um mês de cama... não fui socorrida no hospital porque o médico queria me matar, porque eu era indígena. Eu fui socorrida pelos amigos que me deram assistência. E eu fui... de algum modo, a minha sobrevivência se deu através da minha espiritualidade, e de todos os meus medicamentos e de todos os espíritos que me rodeiam desde o meu nascimento. Porque quando tu sabe o que que tu vai fazer no mundo, o que tu veio fazer no mundo, tu continua vivo até tu terminar o que tu veio fazer. E quando vem as imagens dos rituais, eu simplesmente [inaudível] o meu ritual, né? E aí lembrei também dos sonhos que eu tive quando eu tava com covid. Eu tive 5 sonhos quando eu tava com covid. E eu disse - nossa, a Andujar, que já andou... Eu lembrei de um sonho específico né, que foi um dos sonhos do covid. Porque o covid pra mim ele não foi uma doença, ele é uma doença espiritual também. Ele é uma doença da humanidade. E aí eu quando vi uma das imagens né da Andujar, eu lembrei do sonho. Porque há algum tempo né os Yanomamis estão falando... e aí tem num livro do Kopenawa né? da fumaça que vai sair da terra, e vai causar uma doença na humanidade. E eu relacionei a imagem da caminhante Andujar à profecia do Pajé, e ao sonho, e à pandemia. E eu fiz essa conexão. Porque nós sabemos que o que tá acontecendo com a humanidade e a [questão?] dos rituais, nada mais é do que uma resposta da própria natureza ao que está...[inaudível] com esse genocídio, e a esse - eu
vou usar esse termo porque esse termo é novo - a esse ecocídio que está acontecendo com a terra. Então, é... quando ela traz aquelas imagem, eu achei a imagem profética. Vou usar esse termo cristão novamente porque não tem outra na... se eu falar na minha língua ninguém vai entender, então vou falar na língua de vocês. É uma imagem profética né? Ela traz aquelas imagens dos rituais, de algum modo purificando....
Quando eu falei que me trouxe alento em 2020, imagens que ela tirou há décadas,
esse alento é de algum modo... tá trazendo uma limpeza espiritual às coisas que tá
acontecendo agora. Quando é que nós, quando é que a humanidade - os civilizados, os capitalistas, os não-indígenas - iriam imaginar que estariam isolados dentro das suas casas com medo de um vírus que viriam através da fumaça, que liberaram debaixo da terra? Então, é... aí você as imagens né, os rituais que a caminhante Andujar traz, você relaciona com o que acontece hoje e você... de algum modo você diz - nossa, que bom que eles fizeram esses rituais. Que bom que eles ainda fazem esses rituais. Mas que bom que eu estou aqui vendo, eu estou vivo, eu não morri ainda do covid, eu não morri dessa doença... que o meu modo de viver ocasionou, e que eles estão lá, e que outros povos estão lá - que não tá sendo registrado em imagem - tão ainda fazendo rezo pra libertar a humanidade.