Você se inscreveu com sucesso em 32ª RBA - Exposições
Ótimo! Em seguida, finalize a compra para ter acesso completo a 32ª RBA - Exposições
Bem vindo de volta! Você fez login com sucesso.
Sucesso! Sua conta está totalmente ativada, agora você tem acesso a todo o conteúdo.
Sucesso! Suas informações de cobrança são atualizadas.
Falha na atualização das informações de faturamento.

Transcrição: Comentário da Foto 10

Transcrição

Ahhh, essa foto é muito bonita! É muito irradiante, realmente foi bom que fosse a última a se comentar...porque o Cristiano Mascaro conseguiu um efeito, um jogo de lente, que deu uma profundidade muito cenográfica a esta tomada da fachada do Palácio. Num ângulo um pouco inusitado, tomada de baixo, em que se vê com muita nitidez todos os detalhes decorativos da fachada, realçados por essa cunha escura da parede do terraço fronteiriço, apenas margeada por esse rendilhado da balaustrada do terraço. É o que faz um contraste fascinante com a limpidez dessa fachada banhada contra um céu radioso, sem nuvens, de um azul intensíssimo. Aqui, o que se pode fazer...é uma foto que daria para servir para uma aula de arquitetura, do estilo arquitetônico do neoclássico. Aqui vê-se os pedimentos (?) que eu mencionei em outra descrição, redondos e triangulares...os balcões em ferro fundido, que guarneciam todas janelas do segundo e do terceiro andar...a balaustrada do telhado com as estátuas...todo esse friso aqui, que é muito característico na arquitetura neoclássica, que é uma retomada dos estilos gregos, né? Que é o chamado friso de métopas... tríglifos e métopas - é a descrição desse elemento arquitetônico que está aqui usado na base desses balcões do terceiro andar, né? E vê-se sobretudo esse tom rosado...agora eu re-olhando mais uma vez essa foto, eu me dou conta que as fotos foram tiradas...essas fotos do Museu pré-incêndio, foram tiradas há bem mais tempo, porque essa fachada tinha perdido o seu tom rosado numa grande reforma, que se tinha feito com recursos da Petrobrás, da fachada. Em que ela tinha retomado um tom amarelado, que o patrimônio histórico tinha considerado que seria mais adequando no momento de restauração do Palácio. Aqui ainda se mantinha esse tom rosado, que eu pessoalmente sempre preferi ao tom amarelado que acabou prevalecendo, e que era o que o prédio ostentava no momento do incêndio.

clique aqui para voltar à página principal da exposição