Você se inscreveu com sucesso em 32ª RBA - Exposições
Ótimo! Em seguida, finalize a compra para ter acesso completo a 32ª RBA - Exposições
Bem vindo de volta! Você fez login com sucesso.
Sucesso! Sua conta está totalmente ativada, agora você tem acesso a todo o conteúdo.
Sucesso! Suas informações de cobrança são atualizadas.
Falha na atualização das informações de faturamento.

Transcrição: Comentário da Foto 9

Transcrição

Esse é outro testemunho dramático da situação em que ficou o interior do Palácio. Aqui nós temos...uma coisa muito curiosa que marca quem é que tenha vivido dentro do Palácio e que vá visita-lo atualmente, é que você não reconhece quase nada, porque foi tudo de tal forma destruído...inclusive as divisórias, as paredes menores, os tetos, o telhado...de modo que ficaram grandes espaços, que parecem...a mim me lembraram muito ruínas romanas. Porque como as paredes são de tijolos maciços, ou de pedra, elas efetivamente lembram ruínas do Monte Palatino, em Roma, alguma coisa deste tipo... e você custa a localizar exatamente onde ficava tal ou qual pequena sala. Eu só reconheci o lugar da minha sala por causa da vista da janela que sobreviveu...o buraco de janela que correspondia à minha sala, que ficava na direção do fundo desta foto. Lá no fundo, aquela porta, é a porta que conduzia.... é na área do departamento de Antropologia. Aqui neste corredor, ficavam uma série de saletas, de divisórias, onde funcionavam alguns gabinetes de trabalho...inclusive do contador do PPGAS, do Programa de Pós Graduação em Antropologia, o Afonso Santoro, um personagem fundamental na nossa vida....e outras salas de trabalho, que eu nem sei exatamente quem estava ocupando ultimamente. Certamente havia uma ocupada pela Antropologia Biológica....era uma grande série de divisórias, onde eu cheguei a trabalhar quando entrei para o Museu lá pelos anos 1970/80. Tudo isso desapareceu. Aqui à esquerda, essa luz que penetra aqui à esquerda, são as janelas que dão para os Jardins das Princesas. Aqui neste espaço ficam duas das portas que se comunicavam com os Jardins das Princesas. No fundo, atrás daquela porta interna, ficava um saguão com as gavetas, com os remanescentes ósseos da coleção de Antropologia Biológica. Mas se caminhássemos depois dessa porta para a direita iríamos sair no Pátio dos Chafariz, e se continuássemos para a esquerda iríamos parar na minha sala, na secretaria do PPGAS, do Programa de Pós Graduação de Antropologia Social.

clique aqui para voltar à página principal da exposição